As minhas compras
O seu cesto está vazio.
Adicione produtos ao seu cesto.
Os meus favoritos
Não perca os seus favoritos!
para guardá-los e gerir diferentes listas.
(0 artigos)
A lista de produtos favoritos está vazia.
Adicione produtos aos seus favoritos.
SÚCUBOS
Favorito
SÚCUBOS
Papel
14,00
ComprarComprar

Detalhe
Editora:
Astrolábio Edições
Data de publicação:
2021-12-06
Páginas:
150
ISBN:
978-989-37-1478-2
Género:
Ficção
Idioma:
PT
Sinopse

Cigarros e cervejas e logo era meio dia. O bar, pouco a pouco, tomou forma. Um sábado de verão é sempre uma boa pedida para arranjar algo em um lugar público. Grupos de mulheres, de amigos e casais se acomodavam nas mesas. Eliza. Merda! Tomei um trago dos bons para esquecer aquela maldita deliciosa. Ligar para Fernanda seria uma solução para os meus tormentos.

Levantei e paguei a conta.

Não resisti aos meus impulsos e fui visitar Eliza.

Cheguei de surpresa.

Ela estava de pijama.

Foi receptiva dessa vez.

Entrei em sua casa.

Apreciar a quem se ama é como admirar a paisagem à beira de um penhasco e depois cometer suicídio se jogando sobre as pedras. Nunca entendi como os ratos caíam nas armadilhas. Admirando Eliza, tudo fazia sentido.

 Devagar, degustei aquele momento. Abracei-a. Eliza entendeu o ritmo. A beijei, não havia escovado os dentes, mas não era isso que eu buscava. Grudaria em seu corpo, mesmo se estivesse toda cagada.

Me joguei na ratoeira e no penhasco. Era uma pequena satisfação, que crescia de instante a instante. Olha, vale a pena viver.

 Ela pegou a minha mão, me levou até o quarto. Uma cena em câmera lenta. Nossos dedos deslizavam por nossas peles umedecidas. Nossas línguas criaram nós. Eu acariciava o seu cabelo. Parava de beijá-la e contemplava a sua face. Ela tinha pequenas e quase inexistentes sardas que se escondiam, onde só era possível ver de muito próximo. Nossos olhos se cruzaram e nossas almas se inverteram. Senti os seus lábios. Os lábios da freira que eu transei em uma missa de sétimo dia.

Nossas pernas se entrelaçaram. Deitamos, meu corpo forçou o dela no colchão. Eliza se sentiu sem ar por um momento. Tirávamos nossas roupas lentamente. Nossos ouvidos estavam tapados para qualquer barulho externo. Eu sentia o seu coração, o sangue passeando por suas veias e sua excitação; sua essência. A leveza da sua brisa natural. Como uma manhã de outono em que ainda podemos ver neblina e tomamos um café sentindo um ar frio entrando em nossos pulmões.

Nus, colocamos o cobertor por cima de nossos corpos e deixamos a luz acesa.

Leituras semelhantes
O labirinto
Favorito
O labirinto
Hélio Cunha
16,00
O destino não nos quis
Favorito
O destino não nos quis
Sandra Fernandes De Carvalho
14,00
Lúminous - O reino perdido
Favorito
Lúminous - O reino perdido
Luiza S.C
13,00
Obra de Punhos
Favorito
Obra de Punhos
Rui Alexandre dos Reis Catanho
12,00
A morte do Barão
Favorito
A morte do Barão
Altair Maia
12,00
A estrela que me guia
Favorito
A estrela que me guia
Maria Helena Pereira
13,00
Flores, Frutos, Folhas e Nada
Favorito
Flores, Frutos, Folhas e Nada
Miguel Caras-Altas
18,00
A Melodia do Regresso
Favorito
A Melodia do Regresso
Armindo Mota
17,00
Viagem Para o Paraíso
Favorito
Viagem Para o Paraíso
Joaquina Raimundo
15,00
Arena dos deuses
Favorito
Arena dos deuses
Felipe Fraga
13,00
Um verão sem ti
Favorito
Um verão sem ti
Alexandra Ferreira
14,00
A Velha Senhora
Favorito
A Velha Senhora
Júlio Garcia
22,00
Pague de forma seguraPague de forma segura:
Receba em primeira mão
As nossas ofertas e novidades literárias