As minhas compras
O seu cesto está vazio.
Adicione produtos ao seu cesto.
Os meus favoritos
Não perca os seus favoritos!
para guardá-los e gerir diferentes listas.
(0 artigos)
A lista de produtos favoritos está vazia.
Adicione produtos aos seus favoritos.
SÚCUBOS
Favorito
SÚCUBOS
Papel
14,00
ComprarComprar

Detalhe
Editora:
Astrolábio Edições
Data de publicação:
2021-12-06
Páginas:
150
ISBN:
978-989-37-1478-2
Género:
Ficção
Idioma:
PT
Sinopse

Cigarros e cervejas e logo era meio dia. O bar, pouco a pouco, tomou forma. Um sábado de verão é sempre uma boa pedida para arranjar algo em um lugar público. Grupos de mulheres, de amigos e casais se acomodavam nas mesas. Eliza. Merda! Tomei um trago dos bons para esquecer aquela maldita deliciosa. Ligar para Fernanda seria uma solução para os meus tormentos.

Levantei e paguei a conta.

Não resisti aos meus impulsos e fui visitar Eliza.

Cheguei de surpresa.

Ela estava de pijama.

Foi receptiva dessa vez.

Entrei em sua casa.

Apreciar a quem se ama é como admirar a paisagem à beira de um penhasco e depois cometer suicídio se jogando sobre as pedras. Nunca entendi como os ratos caíam nas armadilhas. Admirando Eliza, tudo fazia sentido.

 Devagar, degustei aquele momento. Abracei-a. Eliza entendeu o ritmo. A beijei, não havia escovado os dentes, mas não era isso que eu buscava. Grudaria em seu corpo, mesmo se estivesse toda cagada.

Me joguei na ratoeira e no penhasco. Era uma pequena satisfação, que crescia de instante a instante. Olha, vale a pena viver.

 Ela pegou a minha mão, me levou até o quarto. Uma cena em câmera lenta. Nossos dedos deslizavam por nossas peles umedecidas. Nossas línguas criaram nós. Eu acariciava o seu cabelo. Parava de beijá-la e contemplava a sua face. Ela tinha pequenas e quase inexistentes sardas que se escondiam, onde só era possível ver de muito próximo. Nossos olhos se cruzaram e nossas almas se inverteram. Senti os seus lábios. Os lábios da freira que eu transei em uma missa de sétimo dia.

Nossas pernas se entrelaçaram. Deitamos, meu corpo forçou o dela no colchão. Eliza se sentiu sem ar por um momento. Tirávamos nossas roupas lentamente. Nossos ouvidos estavam tapados para qualquer barulho externo. Eu sentia o seu coração, o sangue passeando por suas veias e sua excitação; sua essência. A leveza da sua brisa natural. Como uma manhã de outono em que ainda podemos ver neblina e tomamos um café sentindo um ar frio entrando em nossos pulmões.

Nus, colocamos o cobertor por cima de nossos corpos e deixamos a luz acesa.

Leituras semelhantes
O caso do cordão de ouro desaparecido
Favorito
O caso do cordão de ouro desaparecido
Ramiro Carrola
17,00
Um rapaz tranquilo - MEMÓRIAS IMAGINADAS
Favorito
Um rapaz tranquilo - MEMÓRIAS IMAGINADAS
Álvaro Carmo Vaz
14,00
Estrada Branca - À sombra de dois ciprestes
Favorito
Estrada Branca - À sombra de dois ciprestes
Matilde Zagalo Oliveira
12,00
Contos e (re)contos
Favorito
Contos e (re)contos
MARIA ABREU MORAIS
14,00
A Imposição Geral da Apatia
Favorito
A Imposição Geral da Apatia
Vitor Varella
12,00
Volfrâmio: “Suor o deu, miséria o levou”
Favorito
Volfrâmio: “Suor o deu, miséria o levou”
Alberto Bastos
12,00
O LEÃO E AS HIENAS - e outras estórias
Favorito
O LEÃO E AS HIENAS - e outras estórias
Uedison Pereira
10,00
Memórias de Ti
Favorito
Memórias de Ti
Nuno Maria
13,00
Flores com histórias, mulheres maduras que inspiram
Favorito
Flores com histórias, mulheres maduras que inspiram
Lara Gisela
13,00
Pandemia Final - Livre Arbítrio
Favorito
Pandemia Final - Livre Arbítrio
ValZampieri
14,00
O beijo na calçada
Favorito
O beijo na calçada
Antonio Carlos SEIDL
12,00
Pensamentos citações
Favorito
Pensamentos citações
António Cardoso
12,00
Pague de forma seguraPague de forma segura:
Receba em primeira mão
As nossas ofertas e novidades literárias