As minhas compras
O seu cesto está vazio.
Adicione produtos ao seu cesto.
Os meus favoritos
Não perca os seus favoritos!
para guardá-los e gerir diferentes listas.
(0 artigos)
A lista de produtos favoritos está vazia.
Adicione produtos aos seus favoritos.
BES, Os Dias do Fim Revelados
Favorito
BES, Os Dias do Fim Revelados
Papel
15,00
ComprarComprar

Detalhe
Editora:
Chiado Books
Data de publicação:
2016-03-03
Páginas:
246
ISBN:
978-989-51-6854-5
Colecção:
Compendium
Género:
Não-Ficção
Sinopse
Passaram dezoito meses desde o desaparecimento do Banco Espírito Santo, no dia 3 de Agosto de 2014. Na casa da Pedra da Nau, Ricardo Salgado ouviu decretado o fim do banco de família pelo Governador do Banco de Portugal. Ao seu lado estava a mulher, Maria João. O dia foi talvez o pior das suas vidas. 

O Banco de Portugal e o Governo de então, liderado por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas justificaram a decisão de acabar com o banco como a única que não teria custos para os portugueses. Um argumento politicamente astuto mas que hoje se sabe que irrealista. 

Entre Julho e Outubro de 2015, Ricardo Salgado esteve impedido de sair de casa. Durante esses meses que viveu com resiliência assinalável, durante muitas horas de conversa, contou os dias do fim do banco que liderou mais de vinte anos. A história está longe de ser financeira. É politica, é familiar, é de pessoas que cometem erros. Não é um livro dobre culpas e responsabilidades. É o enredo de uma história com muitos protagonistas. Desengane-se quem pensa que só existe um. 


Alguns excertos:

“... a influência da gestão no Estado leva a que a gestão seja alterada por influência política. Jobs for te boys. Numa empresa familiar, a gestão é influenciada pela família. Jobs for the family”

“Era preciso agir. Foi o seu advogado, Daniel Proença de Carvalho que organizou o encontro com José Eduardo dos Santos. ‘Quando o Dr. Ricardo Salgado se apercebeu eu aconselhei-o, dada a dimensão do problema, a esclarecer junto do próprio Presidente o que estava a acontecer no BESA. Até porque os accionistas angolanos já lhe tinham feito chegar essa informação’”.

“As relações com Lisboa tinham mudado de rumo no último ano e as conversas com Ricardo Salgado tinham-se tornado progressivamente mais ásperas. Álvaro Sobrinho estava isolado no banco, à excepção dos membros da Comissão Executiva que se tinham encantado com a nova vida que o banco lhes tinha proporcionado”
Leituras semelhantes
Ser mãe não mata, mas mói
Favorito
Ser mãe não mata, mas mói
Marisa Lemos Samgy
12,00
O último templário Vicentino
Favorito
O último templário Vicentino
António Dias "Urodelle"
13,00
Coletânea de Pensamentos Intermitentes
Favorito
Coletânea de Pensamentos Intermitentes
Filipe Sousa
17,00
Arte sobre rodas
Favorito
Arte sobre rodas
Elisabete Ribeiro
17,00
Uma Geração de Verso e Reverso
Favorito
Uma Geração de Verso e Reverso
Amadeu Oliveira Singens
18,00
Dançando Sobre as Cinzas
Favorito
Dançando Sobre as Cinzas
Inês Dunas
14,00
Ultramar - memórias de um combatente
Favorito
Ultramar - memórias de um combatente
Luis José Borges Rosado
14,00
Parola!
Favorito
Parola!
André Luiz Leite da Silva
16,00
Da Terra...ao Amar!
Favorito
Da Terra...ao Amar!
Elsa Margarida Silva
13,00
Bordados Fáceis com pontos simples
Favorito
Bordados Fáceis com pontos simples
Adelina Carvalho
14,00
Kurupira
Favorito
Kurupira
Jorge Maranhão
18,00
Uma vida Antes e Depois da Diálise
Favorito
Uma vida Antes e Depois da Diálise
Oclede Fernandes Barros Teixeira
12,00
Pague de forma seguraPague de forma segura:
Receba em primeira mão
As nossas ofertas e novidades literárias