As minhas compras
O seu cesto está vazio.
Adicione produtos ao seu cesto.
Os meus favoritos
Não perca os seus favoritos!
para guardá-los e gerir diferentes listas.
(0 artigos)
A lista de produtos favoritos está vazia.
Adicione produtos aos seus favoritos.
Pôr Na Grafia
Favorito
Pôr Na Grafia
Papel
14,00
ComprarComprar
Ebook
5,00
ComprarComprar

Detalhe
Editora:
Primeiro Capítulo
Páginas:
212
ISBN:
978-989-37-5138-1
Género:
Ficção
Idioma:
PT
Sinopse

Esta é a história de um casal que se encontra, nos vários sentidos, na segunda metade da vida dele e na primeira metade da segunda vida matrimonial dela. Vera e Pedro são apaixonados pelas palavras e estas fizeram com que se apai­xonassem um pelo outro. São criadores de uma relação nos seus próprios ter­mos. Chama-se Pôr na Grafia, pela necessidade da escrita antes do ato. Com o diagnóstico de uma demência precoce ao Pedro, o seu mundo vê-se ameaçado. Temem o esquecimento de si próprios. É uma viagem emocional pelas transfor­mações, pela perda, pela reinvenção.

"- Vai-te embora! Não vês que nem sequer te conheço? Vai ser feliz noutro lado. Não te quero aqui. Não quero ser velado em vida. Uma e outra vez. Revelado. Exposto. Faz-me mal saber que me sabes assim. Eu não aguento isto. Não isto. Quero um cancro. Quero um AVC. Quero uma merda qualquer que me leve, mas de uma vez. Se é para morrer que seja de uma vez. Não assim. Não aos poucos. Não aos muitos, arrancado de dentro de mim. Esfumado.

A Vera chora, calada, de pé. Como contrariar? Como atacar? Atracar, isso sim. Abraça-o. Quer os abraços longos que os marcam. Um abraço-velcro. Abra­ço-cobertor. Abraço pele. Que fica. Que dura muitas respirações. Inspira. Mas sente um empurrar. Duro. Sem aleijar no corpo. A alijar o corpo. A aleijar na mente. Alija, aleija, além já. O Pedro quer distância. Quer o desapego. Que a Vera vá. Vá Vera, vai. Vai Vera, vá. Vera, vá, vai. Repete-o de todas as formas. Atos, palavras, inatos, insanos. Atreve-se a gritar. Aumenta os decibéis como se aumentasse a razão. A fórmula dos fracos. Sabia-o e doía-lhe. Não nos tímpa­nos, mas na razão. A ilógica da agressão que mascara um pedido, um desejo de proteger. Agredir para proteger. Será a doença? A demência? Não, é empurrar alguém para fora do perímetro de uma explosão. Isso é proteger. Mas afastar alguém para fora do perímetro de uma vida requer mais força física. A força fí­sica para quebrar a química. Uma reação mecânica que desencadeia uma reação molecular. Separação dos átomos. Separação em tomos. E que a força gravítica do amor não se faça sentir. A gravidade da força que traz a Vera sempre de volta. É preciso um empurrão maior para a colocar fora de órbita. Fora do seu sistema."

Leituras semelhantes
Os Sapatos do Espantalho - Crônicas de um economista em tempos de pandemia e pandemônio
Favorito
Os Sapatos do Espantalho - Crônicas de um economista em tempos de pandemia e pandemônio
PetronioPortella Filho
16,00
Perdas e conexões soltas
Favorito
Perdas e conexões soltas
J.P.S.Amaral
16,00
Entre balas e cordas
Favorito
Entre balas e cordas
Haida Farias
17,00
És Maçã Dourada?
Favorito
És Maçã Dourada?
Nina Rita
13,00
Herança Indesejada
Favorito
Herança Indesejada
Sónia Acates
17,00
O Relógio da Memória
Favorito
O Relógio da Memória
FRANCISCA ESQUÍVEL
13,00
O caso do cordão de ouro desaparecido
Favorito
O caso do cordão de ouro desaparecido
Ramiro Carrola
17,00
Dona Santa
Favorito
Dona Santa
Arnaldo Paiva Filho
12,00
A vida por um fio - Vencendo batalha a batalha
Favorito
A vida por um fio - Vencendo batalha a batalha
João José Atanásio
15,00
Repúdio sentimental
Favorito
Repúdio sentimental
Paulo Renato do Rosário Vieira
13,00
Não quero morrer sem ti - palavras do senhor
Favorito
Não quero morrer sem ti - palavras do senhor
Anabela Grancho Pinto
17,00
Cartas de Amor e Sonhos - O Besouro e a Borboleta
Favorito
Cartas de Amor e Sonhos - O Besouro e a Borboleta
Carlos Eduardo Gomes Ribeiro
12,00
Pague de forma seguraPague de forma segura:
Receba em primeira mão
As nossas ofertas e novidades literárias