As minhas compras
O seu cesto está vazio.
Adicione produtos ao seu cesto.
Os meus favoritos
Não perca os seus favoritos!
para guardá-los e gerir diferentes listas.
(0 artigos)
A lista de produtos favoritos está vazia.
Adicione produtos aos seus favoritos.
Mal-amado
Favorito
Mal-amado
Papel
13,00
ComprarComprar
Ebook
5,00
ComprarComprar

Detalhe
Editora:
Chiado Books
Data de publicação:
2023-08-09
Páginas:
128
ISBN:
978-989-37-6161-8
Género:
Ficção
Idioma:
PT
Sinopse

“A arte de esquecer engolira-o. Remetera ao passado o presente de então e, enterrado, não permitira sofrimentos ou liames. Contudo, em lapsos prateados de certos dias, avassalava-lhe o espírito em agonia profunda. Lágrimas nascentes afloravam-lhe o rosto de súbito, sem a doçura de um aviso, e temia a sociedade em redor, algoz do hábito e dos minutos alinhados do dia-a-dia, cega e má no seu juízo cerrado. O choro era vergonha, no seu desespero. Arranhava a cara, apagava o sal dos corredores de água que lhe lavavam a boca e que engolia, esconjurava do nariz o muco viscoso acumulado em fio, sentia o desespero de não querer e ter de querer, a tortura censora dos seus olhares, o desprezo de quem está bem e se incomoda. Então, chorava escondido, o rosto centrado nos braços de quadrados do tecido da camisa. Onde alguém para lhe cerrar a mágoa, onde os pais mortos, onde a vontade de viver.”


“O amigo estivera ausente na aula da manhã e agora, semelhava-o na postura triste e angustiada. Estranhara-o e forçara a entrada das confidências, no recreio. A mãe... também nele ressoavam os pais, também esmigalhavam o ego filial em medos e dúvidas. Ela e o professor de matemática, seria, seria? E ele a acrescentar na mente e os dele, seriam, seriam? A certeza de nunca saber, de nunca perceber, despedaçava-lhe o trilho que, apesar de tudo, seguia. Calara-o com meias verdades que já aprendera com a vida, ensaiara dar-lhe a paz que não conseguia em si. Porque se casam os pais se não sabem conviver, se não amam o suficiente para o conseguir, se os geram e destroem depois, num genocídio programado em família? O amigo chorava em soluços fortes como ele quisera, em vão, soluçar e apertara-o ao peito. A amargura nele, reconhece, no amigo, o grito de partida na senda do amargo, e condói-se. “Vais ver não é nada”, e os dele mortos, “é impressão tua”, e a visão impiedosa através da porta entreaberta. Poupar não ajuda quem poupa mas distrai o poupado, alarga a esperança por mais um tempo até que se torne claro o que é escuro ou escureça de vez.”

Leituras semelhantes
Onde o destino nos une
Favorito
Onde o destino nos une
Raimundo Bernardo
18,00
A justiça do amor III
Favorito
A justiça do amor III
Telma Nunes
14,00
Humanus
Favorito
Humanus
Luis A. P. De Rossi
14,00
'Ndrinu - operação agonda
Favorito
'Ndrinu - operação agonda
G. N. Tsu
27,00
O pio do mocho - O ourives, a viúva e a guerra civil
Favorito
O pio do mocho - O ourives, a viúva e a guerra civil
António Assunção
15,00
Onde mora a saudade
Favorito
Onde mora a saudade
Amaro C. Pereira
12,00
O milagre de Fátima - Um conto para sempre de… Jaime Coelho
Favorito
O milagre de Fátima - Um conto para sempre de… Jaime Coelho
Jaime Coelho
17,00
Os segredos que todos guardamos
Favorito
Os segredos que todos guardamos
Pedro Matos Sousa
15,00
SeruPanda-Chan, o nascer de uma lenda
Favorito
SeruPanda-Chan, o nascer de uma lenda
Sérgio Brázio
18,00
Terra Molhada - Guiné Bissau 1977 e 78
Favorito
Terra Molhada - Guiné Bissau 1977 e 78
Teresa Botelho
14,00
Fragmentos de um Segmento de Tempo
Favorito
Fragmentos de um Segmento de Tempo
Vidal Darvacho
13,00
Coração Ansioso
Favorito
Coração Ansioso
Marisa Cardoso
15,00
Pague de forma seguraPague de forma segura:
Receba em primeira mão
As nossas ofertas e novidades literárias